Formação - cancaonova.com

Formações

Imagem de Destaque

Casais que não conseguem ter filhos

O que a Igreja ensina nesses casos
A+ A-

Muitos casais, infelizmente, no conseguem ter filhos por alguma causa de infertilidade do marido ou da esposa. Sabemos que grande esse sofrimento:

Que me dars?, pergunta Abro a Deus. Continuo sem filho... (cf. Gn 15,2). Faze-me ter filhos tambm, ou eu morro, disse Raquel a seu marido Jac (cf. Gn 30,1).

Mas esses casais no devem desanimar; a Igreja recomenda que valorizem o seu matrimnio. O Catecismo da Igreja Catlica (CIC) lhes ensina:

Os esposos a quem Deus no concedeu ter filhos podem, no entanto, ter uma vida conjugal cheia de sentido, humana e cristmente. Seu Matrimnio pode irradiar uma fecundidade de caridade, acolhimento e sacrifcio (CIC 1654).

Esses casais podem e devem buscar os legtimos recursos da medicina para conseguir os filhos desejados. A Igreja ensina que:

As pesquisas que visam a diminuir a esterilidade humana devem ser estimuladas, sob a condio de serem colocadas 'a servio da pessoa humana, de seus direitos inalienveis, de seu bem verdadeiro e integral, de acordo com o projeto e a vontade de Deus' (Instruo Donum vitae, CDF, intr. 2).

A Igreja no aceita a inseminao artificial, nem homloga nem heterloga. E ela expe as razes disso:

As tcnicas que provocam uma dissociao do parentesco, pela interveno de uma pessoa estranha ao casal (doao de esperma ou de vulo, emprstimo de tero), so gravemente desonestas. Estas tcnicas (inseminao e fecundao artificiais heterlogas) lesam o direito da criana de nascer de um pai e uma me conhecidos dela e ligados entre si pelo casamento. Elas traem "o direito exclusivo de se tornar pai e me somente um por meio do outro" (CIC 2376).

Praticadas entre o casal, estas tcnicas (inseminao e fecundao artificiais homlogas) so talvez menos claras a um juzo imediato, mas continuam moralmente inaceitveis. Dissociam o ato sexual do ato procriador. O ato fundante da existncia dos filhos j no um ato pelo qual duas pessoas se doam uma outra, mas um ato que remete a vida e a identidade do embrio para o poder dos mdicos e bilogos, e instaura um domnio da tcnica sobre a origem e a destinao da pessoa humana. Tal relao de dominao por si contrria dignidade e igualdade que devem ser comuns aos pais e aos filhos". "A procriao moralmente privada de sua perfeio prpria quando no querida como o fruto do ato conjugal, isto , do gesto especfico da unio dos esposos... Somente o respeito ao vnculo que existe entre os significados do ato conjugal e o respeito pela unidade do ser humano permite uma procriao de acordo com a dignidade da pessoa" (2377).

A Igreja aproveita esse assunto, para nos lembrar que ningum tem o direito a um filho.

O filho no algo devido, mas um dom. O "dom mais excelente do matrimnio" e uma pessoa humana. O filho no pode ser considerado como objeto de propriedade, a que conduziria o reconhecimento de um pretenso "direito ao filho". Nesse campo, somente o filho possui verdadeiros direitos: o "de ser o fruto do ato especfico do amor conjugal de seus pais, e tambm o direito de ser respeitado como pessoa desde o momento de sua concepo" (CIC 2378).

Por fim, a Igreja recomenda aos casais infrteis unirem o seu sofrimento, corajosamente, cruz de Cristo.

O Evangelho mostra que a esterilidade fsica no um mal absoluto. Os esposos que, depois de terem esgotado os recursos legtimos da medicina, sofrerem de infertilidade unir-se-o Cruz do Senhor, fonte de toda fecundidade espiritual. Podem mostrar sua generosidade adotando crianas desamparadas ou prestando relevantes servios em favor do prximo (CIC 2379).

Nossa f nos ensina que s os egostas desperdiam a vida; portanto, mesmo que os casais infrteis no possam ter seus filhos naturais, podero ter seus filhos do corao; que no deixam de ser menos filhos. Quantos filhos adotados do mais alegria a seus pais que os filhos naturais! Jesus no teve um pai natural na terra; mas teve um grande pai adotivo: So Jos.

Foto

Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com

Prof. Felipe Aquino @pfelipeaquino, é casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de aprofundamentos no país e no exterior, escreveu mais de 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Pergunte e Responderemos". Saiba mais em Blog do Professor Felipe Site do autor: www.cleofas.com.br


07/12/2009 - 09h15

Tags: fertilidade filhos inseminacao formao Cano Nova



+ Formações

Mais acessados

copyright© 2007 - Fundação João Paulo II. Todos os direitos reservados