Formação - cancaonova.com

Formações

Imagem de Destaque

Quem não sabe perder, perde sempre

As pessoas não são obrigadas a ser e a fazer o que queremos
A+ A-

Nem sempre as coisas são como queremos e idealizamos, e, é bom que isso seja assim, pois, nem sempre o que queremos é o melhor para nós. Toda existência humana é marcada pela “condição de contradição”, ou seja, pela fraqueza, pecado e, conseqüentemente, pela queda.

Perder faz parte da vida e aceitar a própria condição limitada é sinal de sabedoria. É horrível conviver com alguém que crê ser absoluto, e que acredita que todos têm o dever de satisfazer suas vontades.

Há muitos pais que estragam seus filhos porque não lhes ensinam que o “não” também faz crescer, e que a queda pode também ensinar. E há filhos que não aprendem – em casa – que na vida a gente também perde, e que precisamos aprender a lidar com nossos fracassos. Há muitos que não suportam os fracassos próprios da vida porque foram educados somente para ganhar.

Para superarmos as quedas impostas pela vida, precisamos ter a humildade de saber perder.

As pessoas não são obrigadas a ser e a fazer o que queremos. Elas não são obrigadas a corresponder às nossas expectativas.

A maturidade se expressa quando o coração consegue deixar livre um outro coração que não quis lhe pertencer, nem corresponder aos seus desejos.

O ser “contrariado” é uma experiência que nos faz mais fortes, pois, assim compreendemos que nossa maneira de pensar não é a única nem a melhor, e que não estamos sempre certos. Precisamos saber perder e sair de cena quando erramos e não estamos com a razão.

Perfeição cristã não significa ausência de erro, mas sim, capacidade de perdoar e recomeçar sempre. Não temos a obrigação de acertar sempre, mas temos sim o dever de aprender com nossos erros. Quem não sabe perder, perde sempre, pois, acaba sendo humilhado pelo fato de não aceitar a própria fraqueza; querendo, assim, ser o que não é, e fazer o que ainda não é capaz...

Quem não sabe perder, busca sempre levar vantagem sobre tudo e todos, tornando-se alguém insuportável e arrogante.

A humildade é escola da virtude, e grandeza é aceitar com ternura aquilo que se é.

A vida não diz sempre "sim", e a alma se torna grande quando é capaz de sorrir também no "não". Aceitar que nem todos nos amam, que não somos bons em tudo e que nem sempre somos os melhores são expressões de um coração que compreendeu verdadeiramente o que significa “viver bem”. A derrota é sempre uma possibilidade de recomeço e crescimento para quem sabe bem aproveitá-la. Que esta não seja para nós motivo de paralisia, mas, que seja um trampolim a nos lançar nos braços da vitória.

Deus abençoe!

Foto

Padre Adriano Zandoná

Adriano Zandoná é padre e missionário da Comunidade Canção Nova. Graduado em Filosofia e Teologia, exerce atualmente a função Responsável Geral pela Canção Nova em São Paulo (SP). Todas as segundas-feiras celebra a missa na Catedral Maronita, em São Paulo, às 19h30, com transmissão ao vivo pela TV CN. Apresenta o programa “Construindo a Felicidade”, todos os dias da semana, exceto às quintas, às 17h pela Rádio América (AM 1410). É autor dos livros: "Construindo a Felicidade" e "Curar-se para ser Feliz", publicados pela editora Canção Nova.

Facebook.com/PadreAdrianoZandoná
twitter.com/peadrianozcn
blog.cancaonova.com/padreadrianozandona

 



05/06/2007 - 12h50


Ver Coment�rios
+ Formações

Mais acessados

copyright© 2007 - Fundação João Paulo II. Todos os direitos reservados